Como age a geração Z, a tribo do “desapega”?

Estudo do eBay mostra dados importantes a respeito do cliente de recommerce após a pandemia

Um novo relatório do eBay destacou como as gerações mais jovens de vendedores e compradores estão adotando o modelo de recommerce. A crescente demanda por itens usados está sendo liderada pela Geração Z (adultos nascidos entre 1997-2012), criando oportunidades econômicas para eles e contribuindo para um futuro mais sustentável.

Lançado nesta terça-feira (26), o segundo relatório anual de comércio eletrônico do eBay destaca que os consumidores mais jovens são a principal força emergente no mercado de segunda mão, com 80% da geração Z comprando estes produtos. Quase 1 em cada 3 da mesma faixa etária começou a vender no ano passado, tornando-os a maior categoria geracional, representando 32% dos novos vendedores naquele ano.

“Empoderar as pessoas e criar oportunidades econômicas para todos está no centro de tudo o que fazemos no eBay e o efeito cascata de nosso trabalho cria ondas de mudança”, disse o CEO do eBay, Jamie Iannone. “Nosso mercado permite que as pessoas redescubram o valor de itens de segunda mão com o bônus adicional de contribuir para um futuro mais próspero e sustentável para todos”.

Após mudanças sísmicas impulsionadas pela pandemia e à medida que os consumidores reorientam seus hábitos de compra, o apelo do mercado de segunda mão cresceu consideravelmente. O surgimento de sites de revenda como Depop e Vinted priorizaram a facilidade de uso para incentivar novos vendedores ao mercado.

Muitas marcas e varejistas se concentraram nas oportunidades do mercado de revenda para reforçar as credenciais de sustentabilidade e permanecer relevantes. A ReSellfridges, da Selfridges, incentiva os clientes a vender mercadorias em sua plataforma para crédito na loja com essa marca de luxo.

Os números do consignado e brechó Thredup sugerem que nos próximos dez anos o mercado de revenda crescerá em ritmo superior ao do varejo tradicional. Ele prevê que o mercado de roupas de segunda mão pode ter o dobro do tamanho do fast fashion até 2030.

De acordo com o relatório global realizado pela Thredup com análise da empresa de pesquisa de mercado GlobalData, o mercado de revenda está crescendo a uma taxa 11 vezes mais rápida que o varejo tradicional. Deve valer US$ 84 bilhões até 2030, com o valor do fast fashion previsto em cerca de US$ 40 bilhões.

À medida que os consumidores de hoje se preocupam cada vez mais com o impacto de seus hábitos de compra e entendem a realidade da fabricação de moda, há um movimento para usar o mercado de recommerce como forma de apoiar a economia circular.

Na pesquisa do eBay, aproximadamente 20% dos entrevistados disseram que ajudar a manter as roupas fora do aterro por mais tempo foi o motivo principal para eles comprarem usados.

Dito isto, é a oportunidade financeira oferecida pelo recommerce que é sua principal atração. 52% das mulheres entrevistadas na pesquisa global disseram que ganhar dinheiro extra é seu foco principal quando se trata de vender produtos usados.

A acessibilidade de bens de moda de origem sustentável pode ser um desafio para gerações condicionadas pelos preços baixos da moda rápida.

O relatório Nosto Sustainability in Fashion Retail indica que menos de um terço dos consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos ecologicamente corretos.

A opção pela compra e venda em segunda mão permite que os consumidores atualizem prontamente os seus guarda-roupas e com a consciência mais tranquila.

Fonte: Forbes e ECB

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados