Grupo Mateus prioriza a agricultura familiar nas lojas

Os pequenos produtores têm a oportunidade de vender o que colhem na lavoura como frutas, legumes e hortaliças

Eles são pequenos no tamanho da produção, mas juntos são responsáveis por 23% de tudo o que é produzido no setor da agropecuária no país. O negócio é maior do que muitos imaginam. Os agricultores familiares movimentam R$107 bilhões por ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E não é difícil entender o porquê destes números serem tão grandes, já que 70% dos produtos que vai para a mesa dos brasileiros vem de pequenos agricultores.

Dona de um restaurante na ilha de Mosqueiro, em Belém (PA), a microempreendedora Karolina Barroso, 38, abastece a despensa com alimentos fornecidos por agricultores familiares, mas os produtos não chegam diretamente ao estabelecimento dela. Karol recorre a uma loja de atacarejo do Grupo Mateus.

A empresa mantém parcerias com pequenos produtores locais e toda quarta-feira faz uma promoção no setor de Hortifruti, chamada de ‘Quarta-feira Livre Mateus’. “Eu compro para levar para casa e também para abastecer o restaurante. É vantajoso porque consigo economizar e adquirir um produto de melhor qualidade, que não usa agrotóxicos, por exemplo”, comenta.

O coordenador de Hortifrúti do Mateus no Pará, Afonso Torreão, destaca que esta parceria entre a empresa e os pequenos produtores, mesmo dando prioridade às famílias locais, consegue atender agricultores de todo o país. “Na verdade, de forma geral, os produtos da ‘Quarta-feira Livre’ vêm de vários cantos do Brasil. Tudo depende do período de safra de cada região. Damos preferência ao produtor regional, para manter a qualidade dos alimentos, mas nada impede que as famílias que estão em outros estados também nos forneçam a sua produção”, pontua.

O Grupo Mateus possui 184 lojas espalhadas pelas regiões Norte e Nordeste do Brasil e cada uma delas, seja de supermercado ou de atacarejo, mantém parceria com pelo menos dois produtores locais para fornecer alimentos de hortifruti.

Ou seja, a iniciativa, até o momento, gera oportunidade de negócio e trabalho para, no mínimo, 368 famílias que vivem da agricultura. E a tendência é que mais pessoas sejam beneficiadas por essa iniciativa, pois a empresa tem executado um audacioso projeto de expansão pelo país, inaugurando novas lojas, gerando emprego e renda.

“O nosso projeto de expansão também apoia o crescimento do produtor regional, dando-lhes total prioridade. A gente cede espaço para eles venderem o que produzem, principalmente hortaliças”, enfatiza Afonso. A entrega dos produtos e alimentos é feita diariamente, mas toda quarta-feira o setor de Hortifruti tem promoção.

Parceria é fechada antes da inauguração da loja

Mateus Meireles, que coordena o setor de Hortifrúti nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará, ressalta que o fechamento da parceria com os pequenos agricultores começa pelo menos 3 meses antes da inauguração de cada loja e pode ser feita mesmo depois que a loja estiver funcionando.

“Inicialmente, a gente faz uma prospecção de mercado. Pesquisa nas cidades e nos bairros onde as nossas unidades vão abrir. Quando necessário a gente visita feiras, procura pelas secretarias municipais de Agricultura, pesquisa se há associações e cooperativas locais. Tudo o que for preciso para a gente chegar até estes pequenos produtores, nós fazemos. A ideia é estreitar os laços e conhecer a capacidade de produção e o que cultivam, principalmente de hortaliças”, comenta.

Ao conhecer os trabalhadores da agricultura familiar, Mateus apresenta a eles o plano de vendas e explica como a parceria entre eles e a empresa pode se dar. “A gente cede o espaço para que eles possam comercializar a produção deles, seguindo os critérios de qualidade que a gente preza. Assim, temos abastecido as lojas com produtos frescos, de qualidade e contribuído com o fortalecimento da agricultura familiar”, enfatiza o coordenador.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados