O impacto global da pandemia nos produtos de alto giro

Estudo da Kantar mostra o desempenho dos itens de grande procura e a performance dos canais

A quinta edição do Winning Omnichannel, estudo anual da Kantar, apresenta uma visão global abrangente de como as dinâmicas do FMCG (bens de consumo rápido) e do varejo se transformaram em 2020. O estudo levou em conta o comportamento de consumo em 42 países e constatou que os eventos causados pela pandemia do coronavírus mudaram a forma de comprar FMCG. Algumas das tendências vistas nos anos anteriores se aceleraram, outras se inverteram.

Em janeiro de 2020, esperava-se uma continuação do crescimento de FMCG perto de 2,5%, e o que se viu foi um crescimento quatro vezes maior, para 10%, o que representa US$ 220 bilhões. Os fatores foram diversos, do movimento de estocagem no primeiro trimestre até a mudança contínua do consumo fora de casa para dentro durante o resto do ano, além da falta de interações sociais presenciais. Os impactos foram sentidos em quase todas as regiões, países, canais, setores e categorias, com taxas de crescimento dobrando ou triplicando.

Supermercados e comércio eletrônico foram responsáveis por mais de 60% do crescimento da FMCG em 2020, com os primeiros revertendo o declínio recente e aumentando 10 vezes mais rápido do que 2019. Já o e-commerce continuou a tendência de ser o canal de crescimento mais rápido no mundo e ganhou mais 67 milhões de novos compradores somente em 2020.

Os estudos apontam que os supermercados cresceram 11,5% e recuperam a participação de 0,5% que haviam perdido no ano anterior para permanecerem como o maior canal globalmente, com 33,3% de participação. No entanto, essa recuperação não foi vista em todos os lugares, como na Europa.

Apesar de o crescimento ter passado de + 1,1% para + 3,2%, os hipermercados continuaram a ficar atrás do resto do mercado. O canal perdeu mais 1,2% de participação, como já havia acontecido em 2018. Na América Latina, entretanto, conseguiu manter a participação devido às lojas muitas vezes serem localizadas dentro das cidades, enquanto em outras regiões tendem a ser fora.

Comércio eletrônico

Em 2020, o e-commerce foi novamente o canal de crescimento mais rápido, com 45,5% de crescimento — mais do que dobrando sua taxa de crescimento em 2019. Isso levou ao seu maior aumento anual em participação em todos os mercados. O canal ganhou + 1,6% de participação e agora vale 6,5% do mercado FMCG global total.

A mudança radical no crescimento deveu-se aos ganhos de penetração, que passaram de 26,3% em 2018 para 29,4% em 2019 e 34,4% em 2020. Mais 5% dos lares globais compraram pelo menos uma vez online em 2020 — o que representa um adicional de 67 milhões, aponta o levantamento.

O crescimento da penetração online não ocorreu apenas em mercados onde a saturação é baixa, mas também em mercados avançados. A China continental teve a maior penetração online para FMCG globalmente, com 87,5%, um aumento de nove pontos de penetração. E ainda há espaço para mais compradores de mercados avançados como os EUA, onde a penetração acabou de cruzar o limite de 50%, e para a maioria dos mercados latino-americanos, onde permanece abaixo de 20%.

O impacto do WhatsApp no Brasil

Pela análise global, fica claro que embora o comércio eletrônico seja relativamente pequeno no Brasil, o crescimento é impressionante, com 2 milhões de compradores a mais no segundo semestre do ano de 2020 em comparação com o primeiro semestre, criando mais 18 milhões de novas ocasiões de compra.

Essa duplicação da penetração no Brasil se deve em parte aos aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, com quase 40% dos compradores online o utilizando para compras de FMCG.

A acessibilidade criada por aplicativos de mensagens democratiza o acesso às compras online no Brasil de várias maneiras. O WhatsApp permitiu que varejistas comerciais menores e tradicionais (que são mais proeminentes na América Latina do que em qualquer outra região) tenham uma presença online. Isso deu aos consumidores uma rota para fazer compras online, visto que a posse de smartphones é maior do que a de computadores pessoais. Ele também oferece às residências fora das áreas metropolitanas uma opção de comércio eletrônico.

O WhatsApp não está apenas acelerando o crescimento do comércio eletrônico no Brasil, de acordo com a Kantar. Está fazendo isso na maior parte da região da América Latina, onde é o principal aplicativo de comunicação para muitos e permanece gratuito para uso fora do contrato.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados