Encerramento de portfólio cresce em outubro

Taxa de Retração Industrial é medida pela Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil)

O encerramento de portfólio de produtos da indústria brasileira está reduzindo mais neste fim de ano. Segundo a Taxa de Retração Industrial, medida pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil, em outubro deste ano a taxa teve crescimento de 3,9% em relação a setembro no índice Brasil e de 8,1% no índice das PMEs.

Quando se compara ao mesmo mês de 2020, o resultado é bem maior, com 13,8% de indústrias nacionais encerrando portfólio de produtos e 41,4% das PMEs. O acumulado deste ano representa 12,5% no índice Brasil e 22,6% nas PMEs.

A Taxa de Retração Industrial é um levantamento estatístico que gera informações úteis ao monitoramento e antecipação de tendências econômicas, constituindo-se em importante ferramenta para a tomada de decisões nos âmbitos público e privado.

É útil para análises econômicas realizadas no meio acadêmico, em consultorias e em organizações públicas. Esse indicador foi criado com base no número de empresas que encerram seu portfólio de produtos e foi concebido com a finalidade de aferir e identificar tendências no encerramento de atividades empresariais no Brasil.

Devido à sua abrangência e com o intuito de manter a confidencialidade e proteger a identidade das empresas, sua publicação ocorre por meio de um número índice, calculado com base média 2012 = 100.

São publicados os números Total Brasil e a abertura para Micro e Pequenas Empresas (MPE). O indicador possui poder explicativo direto com significância estatística. A série histórica da Taxa de Retração Industrial inicia-se em janeiro de 2013.

A Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil é uma organização multissetorial sem fins lucrativos que representa nacionalmente a GS1 Global. A entidade conta com cerca de 58 mil associados que representam 31% do PIB nacional e 18% dos empregos formais.

Em todo o mundo, a GS1 é responsável pelo padrão global de identificação de produtos e serviços (Código de Barras e EPC/RFID) e comunicação (EDI e GDSN) na cadeia de suprimentos. Além de estabelecer padrões de identificação de produtos e comunicação, a associação oferece serviços e soluções para as áreas de varejo, saúde, transporte e logística.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados