Cencosud valoriza mão de obra PCD

O programa “Por um emprego sem preconceito” soma 1098 colaboradores em todo o grupo

Conseguir um trabalho formal não é tarefa fácil. E essa oportunidade no mercado de trabalho fica ainda mais difícil quando se trata de pessoa com deficiência, que encontra uma série de barreiras e precisa provar que é capaz de desempenhar determinadas funções.

Graças a uma iniciativa de inclusão e respeito, essa não é a realidade na Cencosud, rede do qual o Bretas pertence. O grupo conta no seu quadro com 1.098 colaboradores com algum tipo de deficiência, só no Bretas são 321 profissionais – número superior à cota legal exigida.

Esses dados não passam de apenas uma estatística, que no dia a dia nem são percebidas, já que os colaboradores com deficiência desempenham funções comuns do supermercado, como repositor de mercadorias, caixa ou empacotador. Eles cumprem a mesma carga horária e desempenham as atividades com o capricho que exigem.

Mas a realidade da maioria das pessoas não é assim. Em 2018, um estudo da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais – Ministério do Trabalho) apontou que existiam 7 milhões de pessoas com deficiência aptas ao mercado de trabalho, mas que apenas 486 mil (7%) estavam registradas em emprego formal.

Oportunidade

Thiago Perillo de Faria é exemplo de que não há motivos para discriminação. Quando nasceu teve falta de oxigenação no cérebro, o que dificulta um pouco a fala, o equilíbrio e a coordenação motora, mas está há quase três anos no Bretas, onde encontrou a oportunidade para o primeiro emprego com carteira assinada.  “Há preconceito no mercado de trabalho sim. Comecei minha vida profissional como jovem aprendiz.”

Hoje ele é auxiliar administrativo do setor de expedição de documentos e atua no Centro de Distribuição da rede de supermercados.  Aos 30 anos, é formado em Segurança da Informação e está terminando a sua segunda graduação em Informação e Logística. “Quero muito crescer na empresa, mas ainda tenho que pensar o que quero. O futuro é um pouco incerto”, avalia.

Ele conta que a família mudou de endereço para facilitar o seu cotidiano e residir um pouco mais perto do seu trabalho. “Sinto-me muito orgulhoso de trabalhar em um local em que sou bem-vindo e que permitem que eu aprenda e cresça”, reflete.

Já Cecilia José Leite de Brito (foto), de 60 anos, que possui deficiência física, afirma que algumas pessoas a olham diferente quando percebem a sua mão, mas isso não a afeta. Ela não tem um dedo na mão esquerda, perdeu o órgão ainda quando era criança. “Me adaptei”, afirma. Ela começou na rede na limpeza e hoje é operadora de caixa da lanchonete. “Cresci e ainda pretendo evoluir mais. Temos que correr atrás do que queremos”.

Há 44 anos, Juciene Xavier de Barros, de 53 anos, tem problemas auditivos. Ele contraiu meningite ainda criança, que o afetou. Ele conta que chegou a ficar um ano desempregado, mas achou a oportunidade de trabalhar como repositor na rede de supermercados. “Há quase dois anos no Bretas, me sinto muito bem acolhido”, revela por uma conversa realizada por aplicativo de troca de mensagens.

Consciência social

A Cencosud tem uma política de diversidade e inclusão, que garante o acesso às mesmas possibilidades para todos os profissionais, independentemente do gênero, idade, condição econômica e social, religião, orientação sexual, raça, estado civil, opinião política, situação de necessidade especial, nacionalidade, grupo étnico.  Para a Cencosud contar com diversas equipes de trabalho representa ser o reflexo da sociedade, permitindo entender melhor os clientes e, assim, atender e responder da melhor forma às suas necessidades.

É importante reforçar que diversidade, inclusão e respeito às diferenças é também um conteúdo do Código de Ética da Cencosud, no qual não se tolera nenhum tipo de assédio, ato violento, ameaça nem represálias.

Para desenvolver esse clima laboral de boa convivência, ainda são realizados treinamentos e cursos on-line. A Cencosud Brasil disponibiliza treinamentos que visam disseminar a cultura de diversidade e inclusão entres os colaboradores. Os onze cursos foram assistidos por mais de 111 mil vezes. Os temas são direcionados, como “Do que estamos falando quando falamos de diversidade e inclusão?”, “Diversidade E Inclusão”, “Dia da Diversidade” entre outros. Apenas o primeiro, foi assistido 13 mil vezes.

“Acreditamos que todos têm potencial para crescer e chegar a cargos de liderança, sejam pessoas com deficiência ou não. Em nossa cultura, valorizamos e incentivamos o respeito às diferenças em todos os níveis, a começar por nossos líderes, que estão a todo momento prezando por uma boa convivência e clima laboral, dando oportunidades a todos que buscam se desenvolver”, afirma Jacqueline Fontes, Diretora de Recursos Humanos da Cencosud Brasil.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados