Furto de carne cresce nos supermercados

Solução de monitoramento de prevenção e proteção eletrônica detecta alta significativa de perdas da proteína no primeiro semestre

No momento em que o consumo de carne no Brasil cai ao menor nível em 25 anos, devido a alta anual de 35% no preço e a crise gerada pela pandemia, disparam os furtos na seção de açougue dos supermercados.

Por reunir produtos de alto risco, o açougue tornou-se também muito visado por pessoas mal-intencionadas, fazendo a área ser responsável por 2,62% das perdas no faturamento bruto do setor supermercadista em 2020, ante 2,51% em 2019, como revelou a 21ª Avaliação de Perdas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). As carnes mais visadas são sempre as mais nobres, como picanha, contrafilé e filé mignon.

Neste ano, um levantamento feito pela Gunnebo (www.gunnebo.com.br), empresa de proteção eletrônica para o varejo, por meio do Gatecash, seu sistema de monitoramento para a frente de caixa, aponta aumento de aproximadamente 1000% em valor nominal de perdas em carnes de janeiro a junho últimos se comparado ao semestre anterior (julho a dezembro de 2020). “Hoje, a cada 200 vídeos analisados diariamente pelo Gatecash, identificamos dez eventos (5%) do setor de açougue sobre o total registrado, oriundos de erros operacionais, indícios de furtos e desvios dos funcionários”, informa Vanessa Urbieta, gerente de Produtos da Gunnebo.

“As carnes sempre foram apontadas como produtos de alto risco (PAR) devido ao mercado paralelo muito ativo e as particularidades do setor, como a qualidade dos produtos e a sua manipulação. Com o agravamento da crise causada pela pandemia, elas se tornam um alvo predileto para desvios e furtos”, afirma Vanessa Urbieta.

O levantamento da Gunnebo foi executado a partir de mais de uma centena de PDVs monitorados em supermercados tradicionais de médio porte principalmente das regiões Sul e Sudeste do país. O açougue é considerado uma seção vital no varejo de alimentos, responsável por 20% das vendas de uma loja.

De acordo com Vanessa, para o varejo supermercadista reduzir as perdas no açougue é necessária a adoção de um sistema/solução de tecnologia para identificar as fraudes e desvios e a proteger os produtos no setor com etiquetas antifurtos em um ambiente seguro com antenas nas portas e câmeras de CFTV estrategicamente colocadas nas áreas dos balcões refrigerados.

“Além disso, acordos comerciais com os fornecedores para a etiquetagem na origem e a introdução de processos, como contagens diárias de produtos, devem ser implantadas. Por fim, é essencial também haver uma política de punição caso o desvio seja de um colaborador da empresa”, diz Vanessa.

A gerente da Gunnebo lembra ao varejista de que “o que não se mede, não se controla”. “Sendo assim, é preciso muita atenção com o setor de açougue, pois ele é um dos setores mais importantes na operação de um supermercado. E bem administrado, o açougue, com um bom percentual de lucratividade, é um dos principais setores para a ampliação dos resultados da loja”, diz Vanessa.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados