Qual será o futuro do trabalho no setor de alimentos?

Pandemia muda prioridades de varejistas e indústrias e aumenta desafio da contratação e retenção de talentos

Varejistas e indústrias de alimentos estão enfrentando, em todo o mundo, uma série de desafios para a retomada do trabalho em condições normais no pós-pandemia. Segundo um estudo realizado pela Deloitte para o Food Marketing Institute (FMI), as redes de supermercados americanas acreditam que a disponibilidade de talentos (44%), a retenção de talentos (40%) e o treinamento em novas tecnologias (39%) são os maiores desafios a serem superados nos próximos meses.

De acordo com o relatório “Future of Work: the State of the Food Industry”, a retenção de talentos também é a maior preocupação da indústria (45%), seguida pela atração de profissionais com habilidades digitais (36%). Para atrair e reter talentos, a oferta de modelos híbridos de trabalho que dão flexibilidade aos profissionais vem sendo considerada essencial.

O estudo também mostra que indústria e varejo admitem que seus profissionais precisam ter mais habilidade no uso de tecnologias. A diferença é que o varejo, de modo geral, pretende treinar suas equipes nas habilidades desejadas, enquanto a indústria quer contratar profissionais com o perfil desejado.

“Na pandemia, o foco estava em fazer o máximo possível para atender à demanda dos clientes com o que cada varejista e indústria tivesse dentro de casa”, conta Barb Renner, vice-chairman e líder da indústria de bens de consumo na Deloitte. “Agora é hora de otimizar a performance e preparar os negócios para o futuro, com novas habilidades, adaptabilidade e resiliência”, completa.

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados