Profissionais de áreas distintas se dão bem no time de inteligência de dados

O resultado é líquido e certo no faturamento da companhia, avaliam especialistas que participaram da Web Series ABRAS

O primeiro evento da Web Series ABRAS aconteceu nesta terça-feira com o tema: Entenda como a inteligência de dados e o relacionamento com o cliente impactam o seu negócio. Aprenda a construir um time analítico para uso de dados.

Participaram da live Rafa Andreatta, diretor de Business Intelligence da Unilever; José Sarrassini, Vice-presidente comercial e logística do Savegnago Supermercados; Edmilson Anacleto, diretor comercial do grupo Supernosso e o especialista em varejo, Olegário Araújo que atuou como moderador.

Inicialmente, os debatedores concordaram com o professor Olegário Araújo que os provocou dizendo que “dados” hoje são o novo petróleo. Anacleto do Supernosso foi mais além falando que essas milhares de informações captadas pelos departamentos especializados precisam de refino. Nas lojas, cada PDV, cada cliente gera uma riqueza, um volume imenso de dados, por isso, há um, universo muito grande a ser explorado.

Para Sarrassini do Savegnago, o varejo alimentar cresceu pelo feeling dos proprietários. “Mas hoje tem os dados que quando bem trabalhados, ajudam a rede em todos os sentidos, desde o local para uma nova loja, à definição do mix, a base de clientes. É preciso atuar e olhar para eles constantemente. Viver sem dados vai ser praticamente impossível”, disse o executivo. Segundo Sarrassini, cada dia mais vamos depender de dados, com uma velocidade que vai transformar e valorizar a relação com os clientes.

Para o especialista Andreatta da Unilever, é preciso vender mais e vender melhor, trabalhar com os dados de forma personalizada. Segundo ele, “é preciso ter conhecimento, um misto de tudo como, por exemplo, a elasticidade de alguns produtos na pandemia. Ao longo do mês, ele se comporta de maneira diferente.  Na pandemia, equipes que entenderam rapidamente a situação, venderam mais, saíram na frente”, explicou o criador do Hub da companhia.

O criador do departamento na Unilever enumerou e fez uma analogia da equipe à um time de futebol. Cada um tem uma missão dentro da sua área de conhecimento. Precisam ser profissionais de diversas linhas. Ele inclusive alertou: desconfie do técnico que diz que tem muita experiência e consegue fazer tudo sozinho. Segundo ele, a mudança vai acontecer na somatória das questões com programadores, estatísticos, organizadores e executivos. O histórico de planejamento é vital para montar uma equipe equilibrada.

Todos foram unânimes em dizer que é necessário um time coeso, mas de várias áreas: estatística, tecnologia, programação para compor uma boa equipe na gerência que trabalha essa questão dos dados.

Sarrassini diz que é preciso começar a colocar pessoas que conheçam do negócio, fazendo as análises. Assim a performance vai melhorar a partir dos resultados diferentes. Ele complementa a formação do time de Dados com especialistas em logística, marketing, estoque e CRM. A mescla da equipe com profissionais da casa e de fora também foi outra opinião defendida pelos participantes do evento.

As informações têm que circular com rapidez entre as gerências daquilo do que está acontecendo e com rapidez e agilidade, consertar na hora e não na próxima semana ao final da campanha, por exemplo.

Como é que você retém o time com esse mercado deficitário e carente? Deve-se envolvê-los no trabalho, nos resultados e na obtenção dos negócios, devem se sentir importantes. Afinal, formam um time de analistas de dados de um supermercado!

Ao término da live, o diretor de Vendas e Marketing da ABRAS, Celso Furtado, convidou o público para as próximas edições da Web Series ABRAS.

Para conferir a live sobre Inteligência de Dados, clique e assista: https://youtu.be/eMcV81khvjo

Compartilhe esta noticia!

Posts Relacionados